Sentidos e saudades

  
   Ao alcance dos olhos, uma chuva fina um céu fechado. E ao alcance dos ouvidos o vagar do corpo no meio de uma multidão, a busca de um olhar compreensivo. E lá vem ela no último vagão do trem, vem calmamente, sem pressa, levou a chuva, abriu o céu, você até sorriu. Sua mente se convenceu de que ela faz falta, mas seu corpo ainda não. Calma que o inverno vem ai, alguém vai sentir falta de cafe e de um abraço quente, alguém vai bater na porta com o corpo frio. Mas como você vai se entregar, se você sempre mede seus braços?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Que comece agora. E que seja permanente essa vontade de ir além daquilo que me espera.

Caio Fernando Abreu